Vídeos produzidos por Minibus Media

Loading...

quarta-feira, 27 de maio de 2009

Festa na Beira

Faz uma semana que nao escrevo no blog. O motivo e simples: ou nao havia internet ou hvia internet mas nao havia energia. Conclusao: fiquei desconectada por sete dias, o que e uma maravilha.
Minha viagem esta quase no fim. Acabei de chegar em Joanesburgo, vindo da Beira, em Mocambique, minha cidade africana do coracao.
Antes de ir para Beira passei uma semana em Maputo, capital do pais. Na ultima sexta-feira, aluguei um carro e fui para Bilene, no distrito de Xai-Xai, onde pude desfrutar de uma praia de aguas serenas e transparentes.
A chegada em Beira foi maningue giro, como se diz por la. Foi muito boa, como se diz por aqui.
O aviao atrasou, mas ainda deu pra visitar as criancas no orfanato no proprio sabado. Foi muito bom rever o Cebola. E nao e que o gajo cresceu uns 20 centimetros nesses ultimos cinco anos. Foi bom tambem ouvir "teacher, teacher", seguido de risadas. As criancas e os funcionarios do orfanato me reconheceram. Ufa, que alivio. Tambem encontrei algumas ja crescidas criancas na rua, a maioria delas bem encaminhada.
Na Beira revi meu aigo Rodrigues, jornalista com quem costumava debater sobre a imprensa mocambicana. Revi Monika, poloesa que fez mestrado comigo. Conhecei Francesco, Nick, Nicola e os jornalistas Eurico e Chimundo, que me deram uma grande forca para conseguir organizar a festa das criancas, realizada no domingo passado.
Pois e, olha como as coisas podem mudar. Na sexta, enquanto estava em Bilene, resolvi ligar para a diretora do orfanato so para lembra-la que no dia seguinte estaria na Beira. E nao e que ela me surpreende com a seguinte frase: "E quando teremos a festa?". Fiquei bem surpresa porque a festa havia sido cancelada por ela mesma. "Mas a senhora nao tinha me dito que nao era para fazer nada?", perguntei. "Sim, mas falei com minha chefe e ela disse que era para fazer."
O que eu gosto de Mocambique e a flexibilidade e um certo jeitinho brasileiro. Cheguei na Beira as 15h30 do sabado. Rodrigues e Eurico foram me buscar no aeroporto de taxi. Deixei as coisas no meu hotel (de cinco estrelas cadentes!) e fomos a pe para o orfanato. Revi as criancas, acordei o Cebola (o gajo dorme maningue) e falei sobre a festa. Rodrigues fez algumas ligacoes e conseguimos arrumar uma cozinheira. No domingo, acordei cedo e fui ao mercado fazer compras, acompanhada de Chimundo e de Eurico:
30 frangos;
10kg de batatas;
25kg de arroz;
2kg de alface;
2kg de tomates;
1kg de cebola;
30 bananas;
90 refrigerantes.

Foram 30 convidados, sendo 21 criancas e nove adultos. Som na caixa, Cebola e amigos exibindo coreografia e muita animacao.

Ufa, deu tudo certo. Tao certo que a festa acabou em uma coletiva de imprensa. Eu fui a entrevistada. Tres jornais mocambicanos vao publicar materia sobre a festa para o orfanato.

Mocambique e assim: surpreende sempre.




quarta-feira, 20 de maio de 2009

Puta em Maputo!

Brincadeirinha..... Estou muito feliz em estar em Maputo. Primeiro porque revi amigos queridos. Segundo porque a cidade e realmente a perola da Africa. Terceiro porque voltei a andar a pe, coisa dificil em Brasilia e chata em Sao Paulo. Aqui caminho tranquila pela cidade, sem medo, sem estresse. Ontem fui a um ensaio de um grupo de teatro local. Bwe fixe! No sabado, inclusive, participei da aldeia cultural, montada na rua. Durante a programacao, varios grupos de teatro e de musica se apresentaram. Tambem houve apresentacoes de danca, desde contemporanea ate mocambicana.
Maputo e uma cidade que borbulha cultura, na minha opiniao, muito mais que Joanesburgo. O problema, que discuti ontem com o diretor do Centro de Estudos Brasileiros, e que tem muita oferta para pouca procura. Todo dia da semana e possivel encotrar atividades culturais de graca na cidade, nos diversos centros culturais. Mas o publico e sempre o mesmo. Todo mundo se conhece. O segredo agora e converter os nao convertidos!
Hoje, por exemplo, vou assistir a uma peca de teatro e a apresentacoes de danca no Centro Cultural Franco-Mocambicano. Amanha irei ao Centro de Estudos Brasileiros assistir a um tributo mocambicano a Chico Buarque. Enfim, diversao cultural nao falta.

Veadinho, veadinho!

Gente, esqueci de falar que no Kruger Park eu comi veado. E uma carne deliciosa. Na Africa do Sul e uma comida muito apreciada.
Aqui em Mocambique ja comi a feijoada mocambicana, xima, lula grelhada, marisco, folha de abobora. Dilicia, viu!
Ainda nao provei matapa nem carril de amendoim. Acho que hoje a noite faco o teste.
Amiguchos, na volta preparo uma matapinha com arroz de coco, regados a muita musica africana.

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Cadê o tudo bom?

Uma coisa que sento falta em Moçambique é das pessoas perguntarem "tudo bom?". Na Swaziland e na Africa do Sul fui brindada com a pergunta várias vezes. Deu um gostinho de Brasil!

Da Swaziland a Moçambique

Como eu sou TURISTA, queria vir de van da Swaziland a Moçambique. Até consegui uma van, que cobrava cerca de 200 reais por pessoa para nos pegar no albergue na Swaziland e nos deixar no albergue em MAputo, Moçambique. Claro que achei caro, mas iria investir o valor sem sombras de dúvidas. Afinal, já andei muito de lotaçao pela Africa e nao acho nada agradavel viajar com a mala no colo e apertada em lotaçoes que, em geral, nao tem janela na parte de tras. Mas falei com a gringolandia (seis americanos, uma alema, um ingles e um espanhol) e todos acharam muito caro e que valeria a pena vir de lotacao. Conclusao: tiver que vir de lotacao porque o cara da van nao quis me trazer a Mocambique sozinha. Com isso perdi tambem meu safari a cavalo. Mas tudo bem, descontei nos gringos. Macaca velha tem essas vantagens.
Troquei um dinheirinho Swazi por meticais (de Moçambique) com o cara da lotaçao, já soltei ums palavrinhas em portugues e em shangana (dialeto do sul de Moçambique) e, CLARO, peguei o melhor lugar da lotaçao. Fui na frente, do lado da janela. Minha malinha foi atras, nem vi onde, nem com quem. Enquanto eu tomava um arzinho (arzinho mesmo, diga-se de passagem, ja que o vidro da janela caiu durante a viagem... rs), a gringolandia suava la atras.
Ao chegar em Moçambique, tinha combinado com o motorista da lotacao de nos deixar na porta do albergue por mais cem meticais. Na hora, ele mudou o valor de cem meticais para cem rands, o que dá seis vezes mais. É claro que os gringos nao aceitaram e tivemos que ir a pe ate o albergue. Uma caminhadinha de quase uma hora, sob uns 35oC, com as malas. Mas como a idade tá chegando, já estou sem vesícula e nao poderia sacrificar mais nada, nem o baço nem o apendice, um dos americanos se ofereceu a levar minha malinha. Aceitei de cara porque com grindo nao se brinca, né. Vai saber quando alguem iria me oferecer para carregar qualquer outra coisa.
Aqui estou: Maputo. É bom estar de volta ao primeiro pais africano que conheci e onde realizei meu grande sonho de conhecer a Africa como Africa, nao a dos turistas.
Confesso que fiquei muito emocionada ao atravessar a fronteira e estar de volta. Senti ate um arrepio no joelho!
No caminho da fronteira da Swaziland para Maputo fiquei observando o horizonte, as arvores da savana africana que tanto amo, as pessoas. Mocambique continua pobre. Vi muitas pessoas andando a pe, varias sem sapatos. Isso e pobreza. Uma pobreza que ainda esta mascarada nas ruas de Maputo. As mulheres ainda vestem capulanas (os panos africanos), as pessoas ainda falam em dialeto. As cores se misturam, assim como as culturas, as tradiçoes e as crenças. Maputo é muito cosmopolita. É a pérola da África. É muito bom estar de volta.

O bom filho a casa volta

O ditado popular é bem sábio. Aqui estou eu de volta a Maputo, Moçambique. Só para dar uma atualizada, já que nao acesso internet desde quarta-feira da semana passada.
De Nelspruit, na Africa do Sul, peguei um onibus de mochileiro para a Swaziland. La me hospedei em talvez um dos melhores albergues da Africa Austral, o Sondzela. O albergue fica dentro de uma reserva particular, em uma regiao muito bonita. Tanto o jantar quanto o almoço sao preparados a moda Swazi: em uma fogueirinha. Me deu um flashback de Malawi, onde vivi seis meses, cozinhando a mesma maneira. No Sondzela toda a equipe é formada por trabalhadores locais, o que lhe da mais aquela cara de Africa do que na Africa do Sul. Mas a Swaziland nao e ainda aquela Africa que conheci. Tanto quanto na Africa do Sul, o ocidente prevalece mais do que as origens africanas. Eu fui para a Swaziland porque me lembro como se fosse hoje uns mochileiros canadenses que conheci no Malawi me falarem que foi o pais que mais os havia impresionado do ponto de vista cultural. Por isso, fui atras das raizes culturais do pais. Fui em uma fabrica de batiques e em outra de velas, vi artesas que trabalham com fair market e tal. Vi também como era uma vila típica Swazi e sua dança. Enfim, fui TURISTA! Mas nada me deixei muito impressionada. Tudo era muito turístico, meio fake. A única coisa que me impressionou mesmo foi o esfoliante facial feito de marula. Nosssssaaaaaaaaaaa, estou parecendo uns cinco anos mais nova. É como se tivesse descoberto a fonte da juventude.
Beincadeiras a parte, a Swaziland me lembrou um pouco o Malawi, sim. E, infelizmente, isso nao é uma referencia das mais promissoras do meu ponto de vista. A paisagem é bem parecida, o ritmo tambem. Tudo é muito devagar. Gostei mesmo do jeito das pessoas falarem, da tranquilidade e do aparente bom humor. Esses aspectos me pareceram bem melhores do que no Malawi. Mas a falta de energia nas ruas a noite, me lembrou muiiiiiiiiiito o Malawi. Por isso, nao me arrisquei a sair do albergue a noite. Afinal, no Malawi cai em uma boca de lobo. La na Swaziland, poderia cair na boca do proprio lobo, ja que estava em uma reserva privada. Alias, nao consegui checar meu email la porque o pessoal do albergue me desaconselhou. Teria que andar uns 15 minutos a pe (a velocidade local, provavelmente, uns dez minutos na minha velocidade, que é lenta!). "O perigo nao sao os homens, sister. O perigo sao os animais", disse a senhora do albergue. Tive que seguir o conhecimento local.
Na sexta-feira, queria fazer um safari a cavalo, mas nao deu tempo. É que mais nove pessoas do meu albergue iriam viajar para Moçambique. Daí, por questoes de segurança, preferi vir com eles do que ter que pegar a lotaçºao sozinha, ainda mais para atravessar a fronteira.

terça-feira, 12 de maio de 2009

Parece mentira, mas nao e

Antes de eu escrever sobre o Kruger Park e sobre o Blyde River Canyon, eu tenho que fazer um desabafo: acabei de falar com a diretora do orfanato onde trabalhei na Beira. Liguei para ela para confirmar a festinha que quero dar para as criancas, no domingo, dia 24 de maio. E a resposta foi a seguinte: nao sera possivel. Bom, fiz a mesma cara que voce deve estar fazendo agora. Ela me explicou que nao acha pertinente dar uma festinha para criancas com comida por um dia ja que eles estao com problema de alimentacao. Deixe-me explicar. O orfanato recebe alimentos (arroz e feijao) do Programa Mundial de Alimentacao. E, pelo que me consta, a quantidade de comida diminuiu. Por isso, a diretora acha que "nao faz sentido" eu dar uma festinha para as criancas com pipoca, bala e refresco, que era o cardapio previsto. Enfim, estou mega super indignada. Para aumentar a minha indignacao, ela disse que se eu fosse para o orfanato depois do dia 1o de junho, eu poderia dar a tal festinha porque o PMA iria regularizar as doacoes. Vai entender tal mentalidade!

Bom, combinei o seguinte: a festinha vai se chamar visita as criancas e sera a seco (ate que eu mude de ideia, claro). Mas pelo menos ela deixou eu levar os brinquedos que estou trazendo do Brasil. Conclusao: quando voce acha que o pensamento e a logica humanos sao previsiveis, as pessoas provam o contrario. Acho que foi por essa mentalidade que o pessoal da coordenacao dos orfanatos, baseado em Maputo, nao me respondeu aos emails.

domingo, 10 de maio de 2009

A saga para chegar a Nelspruit

Prometi para mim mesma: sou TURISTA, nao me irrito. E estou seguindo isso a risca.

Do museu do Apartheid segui para o aeroporto para pegar a shuttle para Nelspruit. Claro que todas as shuttles do dia e da noite estavam lotadas. Conheci um casal de espanhois que estava na mesma situacao. Dei a ideia de alugarmos um carro. Queria sair de la de qualquer jeito. Por causa de 50 rands, cerca de 20 reais, os caras nao quiseram. Aiaiaia. Ta, dai fui procurar outra solucao. Fui em uma outra empresa de shuttle e perguntei se o cara conhecia alguem que poderia levar tres pessoas para Nelspruit. Ufa, conseguimos. De 2000 rands, fechamos em 1200 rands e pudemos vir para Nelspruit, a cerca de quatro horas de Johanesburgo, dormindo.

Estou mesmo exausta! Muitas horas de viagens e de emocoes nas costas. Esta apenas comecando.

Agora vou tomar banho e dormir. Amanha acordo as 5h para ir ao Kruger Park, onde vou fazer um safari de oito horas (sera que aguento?). Vou dormir num acampamento dentro do parque e, na terca, sigo para conhecer o Blyde River Canyon, terceiro maior canyon do mundo. Volto para Nelspruit na terca a noite, quando tentarei postar aqui de novo.

Na quarta, parto para a Swaziland.

Inte, gente.
beijos

Primeira parada: Museu do Apartheid

Cheguei no aeroporto de Johanesburgo que, diga-se de passagem, esta bem maior e mais organizado do que quando estive aqui pela ultima vez, em dezembro de 2004. Tentei organizar um tourzinho por Soweto e para o Museu do Apartheid com um guia autorizado do aeroporto. Se fosse em outras epocas, ate pensaria em ir de lotacao. Mas sou TURISTA e nao vou fazer nada que exija muito esforco e atencao.

Tinha confirmado o tour com o cara (so eu, parecia a Tieta voltando pra terra dela. Pensei naquela cena da Beth Faria saindo do carro, lembra?). Iria fazer um tour de seis horas para voltar para o aeroporto e pegar uma shuttle para Nelpruit, onde estou agora, cidade de partida para o Kruger Park. E claro que eu nao tinha reservado a shuttle. Tentei ligar para ver se tinha vaga e ninguem atendeu. Fui ao terminal de onibus do aeroporto e descobri que a tal empresa da shuttle nao tinha escritorio no aeroporto. Entao pensei em encurtar meu tour e faze-lo em apenas tres horas para voltar ao aeroporto mais cedo. Nao e que o cara do tour nao quis dividir o preco inicial acordado pelas seis horas pela metade? Entao desisti. Sou TURISTA mas nao trouxa.

Dei uma de Tieta do Agreste. Peguei um taxi no aeroporto e fui para o Museu do Apartheid. Eu recomendo a visita. Ta certo que muita coisa que vi la eu ja tinha visto na Robben Island, em Cape Town, em 2004, ilha onde Madela ficou preso. Tambem ja sabia muito da historia pelo que li e pesquisei. Mas eu acho que o Apartheid foi e e tao cruel que e sempre bom levar um soco no estomago. Levei varios no museu. Acho que nos brasileiros temos que conhecer mesmo mais a fundo a historia de segregacao racial da Africa do Sul cujas consequencias sao bem proximas do que acontece no Brasil e que nos teimamos em colocar debaixo da coberta.

Toda vez que entro em contato com temas raciais, me emociono. Dessa vez nao foi diferente. No museu tambem esta em exibicao uma mostra sobre a historia do Mandela. Muito boa, por sinal.

"To be free is not merely to cast off one's chains, but to live in a way that respects and enhances the freedom of others" (Nelson Mandela)

Na saida, tive que parar na lojinha.. argh: comprei um livro sobre Mocambique que queria ha muito tempo, mas nunca havia encontrado, uns cartoes sobre a historia de Mandela, um livreto sobre a historia de luta das mulheres da Africa so Sul contra o Apartheid, um CD da Miriam Makeba, e um sanduba de frango que eu tava com fome!

A chegada em Johanesburgo

Enfim, estou no aeroporto de Johanesburgo. Na fila da imigracao encontro com alguns mochileiros brasileiros que iam para Bali, na Indonesia. Frase do dia: "Como voce e corajosa de fazer mochilao sozinha na Africa!". Pensamento do dia: "Corajosa e sair de casa em Sao Paulo, o resto e fichinha."

Bom, pego minha malinha. Apesar de ainda nao poder levantar peso, a alegria da chegada era tao grande, que nem liguei. Tranquilamente me dirigi ao portao de saida. Dai vem um guarda do meu lado e o dialogo comeca:

"Madam, ta vindo da onde?"
"De Sao Paulo, Brasil"
"Me acompanhe"
Pensei: que que esse cara ai quer?
Fui para a revista e mais perguntas vieram.
"Ta viajando sozinha?"
"Sim"
"Por que?"
"Porque estou de ferias"
"Vai pra onde"
Falei o roteiro.
"Ja esteve aqui?"
"Sim"
E ele pega meu passaporte e comeca a folhear.... visto de Angola, de Mocambique, dos EUA, da Inglaterra e tal...
Pensei: sera que o cara acha que eu sou prostituta e to vindo pra ca para fazer programa durante a Copa das Confederacoes? Logo euzinha com essa cara de tonta, calca preta, camiseta vermelha e botinha de biologa?!!!
Pois bem, foi a tal botinha de biologa que quase me colocou em maus lencois (viu, Yuri...rs).
O cara vira e me fala:
"Quando vc. comprou esse tenis"
"Ha um mes"
"Onde?"
"Nao lembro o nome da loja, mas foi em Sao Paulo. Por que?"
"Porque foi ele que me chamou a atencao. Voce vai ter que tirar o tenis"
Pensei: froideu... o cara vai rasgar meu tenis pra ver se tem drogas dentro.
Arghhhhhhhhhhhhhhhhhhhh.
Fui pra um quartinho.
Pensei: vou levar porrada! haha
Duas policiais entram comigo e pedem para eu tirar o tenis. Olham e veem que nao pega nada mesmo. E so uma botinha de biologa.
Antes de sair do quartinho, falo se posso guardar meu passaporte. Elas dizem que sim.
Pois bem de novo: saio e um guarda me pergunta: "Cade seu passaporte?" Apontei pra cinturinha e disse que as policiais me disseram que eu poderia guardar. Ele me disse: "ah, ta, tudo bem". E eu: "Ta dificil sair daqui hoje!"

Mas saiiiiiiiiiiiiiiiiiiii. Viva!

Um brinde ao Yuri e feliz Dia das Maes!

Como promessa e divida, nao pude de deixar de brindar com vinho da Africa do Sul pelo aniversario do Yuri, estagiario da CI, e pelo Dia das Maes. Parabens pra voces dois. As fotos, como prova do ato e do mico, tento postar depois.

Ah, so para constar, me decepcionei um pouco com o servico da South Africa Airways, ate ontem, minha cia. aerea predileta. Tudo bem que o check in foi super rapido, que o atendente era simpatico e que realmente eles me serviram comida com pouca gordura. Pois e, fiz o pedido assim que operei da vesicula e nao sabia como meu organismo poderia reagir a falta do orgao. Mal sabia que foi uma das melhores coisas que fiz: arrancar a vesicula. Acho que vou ate abrir uma cmunidade no Orkut: Arranquei a Vesicula: eu recomendo!

Bom, voltando ao assunto, as atendentes da SAA nao falavam portugues e nem se esforcavam para tal. Sacanagem! Ainda tive que fazer uns frilas voluntarios para nao deixar uns brasucas bebendo apenas agua. Segunda coisa: fiquei trancada no banheiro. Que mico! Nao conseguia sair de jeito nenhum ate que uns brasileiros (que deveriam estar apertados) conseguiram quase que arrombar a porta! rs. Terceira coisa: o banheiro tava cheio de agua, avisei e as aeromocas me disseram que nao era problema delas. Pode?

Chegou a hora do embarque para a 'Africa do Sul

Ontem finalmente embarquei para Johanesburgo a partir de Sao Paulo. Fiquei orgulhosa da minha malinha: foram apenas 14,5kg, metade deles dedicados aos presentinhos pro amigos.

Pena que aqui do albergue em Nelspruit nao consigo colocar as fotos que fiz no aeroporto com papi e mami, coisa de marinheira de primeira viagem. Como todo marinheiro de primeira viagem, ontem tambem abri uma excecao: passei no free shopping antes de embarcar, coisa que NUNCA faco. 'E que enquanto falava com minha mae do orelhao, vi um cara com uma filmadora na mao. Dai pensei: nao quero me arrepender de nao ter videos das criancas do orfanato. So que bem na hora chamaram meu voo para o embarque. Mas nao deu pra nao dar aquela corridinha e chegar as cameras. Nenhuma tinha entrada para microfone e, por isso, decidi nao comprar. Preferir comprar um cartao de memoria de 8gb para a maquina fotografica. Agora estou mega equipada. Amanha vou sair do albergue as 5h30 para ir ao Kruger Park. Nao da pra esperar mais!

sábado, 9 de maio de 2009

Programação da viagem

Mami, este post é especial pra você saber onde estarei!



9/5: viagem São Paulo-Joanesburgo


10/5: chegada a Joanesburgo, visita ao Museu do Apartheid, retorno ao aeroporto, ônibus para Nelspruit. Dormir no albergue Funky Monkeys (os caras não confirmaram a reserva, mas vou ficar nesse aí até segunda opinião)


11/5: Leões e elefantes no Kruger Park


12/5: Blyde River Canyon ou Kruger Park (a definir)


13/5: ida para Swazilândia de ônibus (BazBus). Vou ficar no Swaziland Backpackers, que também não confirmou reserva!


14/5: tour cultural/House on Fire


15/5: vou tentar fazer o safári de canoa


16/5: viagem para Maputo de bumba


17/5: passar o dia em Catembe


18/5 a 22/5: Maputo, com ida para Inhaca, Matola, explorar a cena cultural moçambicana, rever Joe e Humberto e encontrar com Dinis.


23/5: viagem de Maputo a Beira de avião. Rever os meninos do orfanato. Ebaaaaaaaa! Ir com eles fazer as compras para a festinha de domingo. Rever Ejaz e Rodrigues.


24/5: Dia de Festa no orfanato. Distribuir os presentinhos que lotaram minha mala, como na foto abaixo.


25/5: Visita ao Parque Nacional da Gorongoza, sonho antigo.


26/5: PNG e volta para Beira para visitar crianças.


27/5: vôo Beira-Joanesburgo. Fazer alguma programação cultural em Joburg à noite.


28/5: vôo Joanesburgo-São Paulo




A leitura do mundo antecede a leitura da palavra

A frase acima, de Paulo Freire, é meu lema de viagem.

É hoje!

Ai ai ai............
Em poucas horas estarei embarcando para a África do Sul. A viagem, no entanto, começou há muito tempo. Faz meses que sou monotemática: só falo nas férias na África.


sexta-feira, 8 de maio de 2009

Turismo na África

Depois de dois anos sem férias, consegui finalmente organizar minhas férias na África. Amanhã embarco de São Paulo para a África do Sul para as férias mais esperadas da década (pelo menos para mim). É a primeira vez que vou para o continente como simplemente TURISTA. E essa sensação é mais que maravilhosa. Essa é também uma oportunidade de ressuscitar o blog, que só recebeu um post meu este ano. Vou tentar atualizá-lo periodicamente durante a viagem e, com isso, trazer as minhas percepções de turista na África (África do Sul, Suazilândia e Moçambique). Aposto que será uma visão diferente da que já tenho porque as condições de viagem são bem diferentes. Dessa vez, vou optar por um turismo que eu consideraria de luxo se comparado com as (más) condições de algumas viagens que fiz. Luxo comparativo, repito. Vou frequentar albergues e vou fazer parte da viagem por terra. Mas também vou me permitir fazer dois safáris, um na África do Sul e outro em Moçambique, e viajar de avião de Maputo para Beira, em Moçambique, percurso que já fiz de machibombo, como são chamados os ônibus em Moçambique.
Nos últimos dias tenho testado meu organismo com o foco na viagem. Operei a vesícula de emergência há pouco mais de 20 dias. A pré-condição foi a seguinte: "vou poder ir para a África, né, doutor?." E o médico, precavido, me disse: "Vai depender de sua recuperação." É claro que me recuperei mais do que bem e já testei o caimento de diversos tipos de alimentos para ter a certeza do que posso e do que não posso comer na África. Só me arrependo de uma coisa: uns três dias depois da cirurgia liguei para a cia. aérea para reservar comida especial no vôo São Paulo-Johannesburgo-São Paulo. Minha alimentação será sem gordura. Mal sabia eu que alguns dias depois já estaria nova!
Com vesícula ou sem vesícula, África - é pra lá que eu vou!